Campanha de vacinação contra pólio e sarampo começa na próxima segunda

Pará terá que vacinar mais de 500 mil crianças contra pólio e sarampo

Começa na próxima segunda-feira (6), em todo o Brasil, a Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo e poliomielite destinada, exclusivamente, as crianças de um a menores de cinco anos de idade, ou seja, uma população aproximada de mais de 500 mil crianças só no estado do Pará. A campanha se estenderá até 31 de agosto em todas as unidades de saúde, sendo que o Dia D de vacinação será dia 18 de agosto e a meta é alcançar uma cobertura vacinal de pelo menos 95% dessa população.

As informações sobre a campanha foram dadas, nesta sexta-feira (3), pelo secretário de Estado de Saúde Pública, Vitor Mateus, e pela coordenadora estadual de Imunização, Jaíra Ataíde, durante entrevista coletiva no Gabinete da Sespa.

“Estamos muito preocupados com a diminuição da cobertura vacinal entre as crianças menores de cinco anos, então, a campanha de vacinação é uma estratégia importante para que essa cobertura aumente e garanta proteção contra doenças imunopreveníveis”, disse Vitor Mateus. “A campanha também é importante para reduzir os riscos de casos de sarampo no estado, já que o Pará é vizinho dos estados do Amazonas e Roraima, que estão enfrentando surtos dessa doença”, acrescentou o secretário de Estado de Saúde Pública.

Ele ressaltou que por causa disso, o Pará antecipou a campanha contra sarampo e poliomielite nos municípios do Baixo Amazonas, onde já foram confirmados três casos de sarampo, sendo que todos os casos considerados importados, já que as pessoas atingidas haviam estado no Amazonas. “Então, convocamos os pais, famílias e população em geral para atenderem ao chamado da campanha e levarem as crianças de um a menores de cinco anos para tomar a vacina”, enfatizou o titular da Sespa.

A coordenadora estadual de Imunização, Jaíra Ataíde, informou que, nesta campanha, será usada a vacina oral (gotinha) contra a polimielite e a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. E que o Pará contará com 2.548 postos de vacinação e o trabalho de 15 profissionais de saúde. “A campanha de vacinação é uma estratégia que será desenvolvida pelos municípios com apoio das 13 Regionais de Saúde da Sespa. Precisamos atingir a meta de vacinar pelo menos de 95% das crianças de um a quatro anos de idade, isso nos preocupa porque na campanha de vacinação contra a gripe, não alcançamos a meta na faixa etária de dois a quatro anos”, explicou Jaíra. “A vacinação será dada de forma indiscriminada na faixa etária de um a menores de cinco anos, independentemente se a criança já foi ou não vacinada contra o sarampo e poliomielite”, ressaltou a coordenadora estadual.

Sobre a vacinação de adultos com menos de 50 anos, Jaíra explicou que só acontece quando ocorre um caso suspeito de sarampo em que há necessidade de bloqueio vacinal, que consiste em fazer busca ativa nos locais de circulação dos casos suspeitos para verificar se as pessoas com quem mantiveram contato estão ou não com a vacina em dia. “Nesses casos, a Secretaria Municipal de Saúde vacina todas as pessoas que não comprovarem que já tomaram vacina contra o sarampo, com exceção dos adultos com mais de 50 anos, que automaticamente, ao longo da vida, já entraram em contato com o vírus da doença”, explicou Jaíra.

“A pessoa deve ter pelo menos duas doses da vacina contra o sarampo ao longo da vida. Se nós deixarmos de vacinar as crianças, a doença volta a aparecer. No que tange aos casos suspeitos, no Pará, a situação está controlada”, garantiu a coordenadora estadual de Imunização.

Texto: Roberta Vilanova

Portal Marajó